12 Março 2008

Pecados mortais são 13

Mil e quinhentos anos depois, o Vaticano actualiza a lista dos pecados mortais, acrescentado seis aos sete elencados pelo Papa Gregório I.

A nova lista foi publicada no jornal ‘Osservatore Romano’, órgão oficial da Santa Sé, e atesta que o pecado passa a ter uma dimensão mais social do que, como até aqui, individual.Aos tradicionais “sete pecados capitais”, soberba, avareza, luxúria, ira, gula, inveja e preguiça, tem de se acrescentar os novíssimos, pedofilia, poluição do meio ambiente, aborto, tráfico de droga, riqueza desmesurada e manipulação genética.Esta actualização dos pecados mortais (há também os veniais, ou seja, faltas consideradas leves) consta já do novo Catecismo da Igreja Católica, que teve ainda a chancela do Papa João Paulo II, embora sem uma definição precisa e ordenada.A evolução científica e tecnológica dos últimos anos e a inexorável globalização, obrigaram Bento XVI a clarificar as novas atitudes humanas que podem levar o homem à condenação eterna.À cabeça aparece a pedofilia, crime considerado hediondo e que, inclusive, tem afectado a própria Igreja, sobretudo nos Estados Unidos e ao mais alto nível, seguida do aborto, discussão quase universal nos últimos tempos, e da manipulação genética, com destaque para as experiências com embriões.Depois vem o tráfico de droga, drama do Mundo inteiro que, segundo o Vaticano, “destrói vidas e famílias”, e a poluição ambiental, tema próprio dos tempos modernos. O Bispo regente do Tribunal da Penitenciária Apostólica, D. Gianfranco Girotti, manifestou a preocupação perante as novas formas de mal social que se manifestam na cultura globalizada dos nossos dias.

MAL TEM DIMENSÃO SOCIAL

Os bispos portugueses receberam esta lista de “novos pecados” sem surpresa. D. Carlos Azevedo, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, disse ontem ao Correio da Manhã que “a noção de pecado é aplicada ao contexto e ao tempo, como é referido no Catecismo da Igreja, pelo que não é novidade considerar pecado grave a pedofilia, o aborto ou um atentado ambiental”. O prelado considera, no entanto, que os “tradicionais sete pecados mortais, apesar dos seus mais de quinze séculos, continuam actuais”, sublinhando: “Nós não alteramos a antropologia humana”. De resto, D. Carlos Azevedo realçou o facto de o pecado ter passado da exclusiva dimensão pessoal para a dimensão social, explicando que, “mais do que em si mesmo, o mal está sobretudo no efeito social que encerra”.

CONFISSÕES SÓ INDIVIDUAIS

O debate tem mais de duas décadas, mas a Igreja resolveu clarificá-lo nesta Quaresma: os pecados só são perdoados no sacramento da Confissão e quando esta for “individual e íntima com o sacerdote”. Depois de alguns padres terem preconizado a validade das confissões colectivas, em que os penitentes reflectiam nos pecados, pediam perdão a Deus e recebiam a absolvição do sacerdote, a Igreja acaba de determinar que “a absolvição só é válida quando o penitente confessa os pecados ao padre”. D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, disse na Celebração Penitencial que “só a confissão pessoal com absolvição individual é permitida na Arquidiocese de Braga”, advertindo que “se algum sacerdote age de maneira diferente está contra a comunhão eclesial”. O Arcebispo procurou “esclarecer de modo claro e inequívoco” a doutrina da Igreja sobre as formas de celebrar o Sacramento da Reconciliação. E, para além da Confissão, a Igreja diz que o perdão depende também do arrependimento.

SAIBA MAIS

10 são os Mandamentos da Lei de Deus, ditados a Moisés no Monte Sinai. Também eles contêm várias proibições. Serão, aliás, a primeira tábua de pecados da Igreja, com mais de quatro mil anos.2 Nos mais de dois mil anos de cristianismo, apenas dois papas elencaram os pecados capitais. Primeiro Gregório I, no século VI, e, 1500 anos depois, Bento XVI.

PECADO ORIGINAL

É atribuído, em termos explicativos, a Adão e Eva, quando viviam no paraíso. Teologicamente, é uma espécie de mácula que se limpa no Baptismo.

PECADO VENIAL

É uma falta leve que, embora deva ser confessada e absolvida, se não o for, não conduz o homem à condenação perpétua.

PECADO MORTAL

É uma falta grave que, se não for confessada e alvo de absolvição e arrependimento, abre caminho ao fogo do inferno.

PECADOS ANTIGOS

1 Soberba
2 Avareza
3 Luxúria
4 Ira
5 Gula
6 Inveja
7 Preguiça

PECADOS NOVOS

1 Pedofilia
2 Aborto
3 Manipulação genética
4 Tráfico de droga
5 Riqueza desmesurada
6 Poluição ambiental

Artigo do Jornal Correio da Manhã

1 comentário:

Vasco Gaspar disse...

Gosto do pecado da Riqueza Desmesurada. O Vaticano e seus subditos tão bem tramados!!!